Wednesday, May 7, 2008

Surgimento do homem asiatico

Surgimento do homem asiático

Foi no continente africano que surgiram os primeiros humanos, segundo muitos cientistas. Nossos ancestrais deslocaram-se da África para outras regiões da Terra. Esses deslocamentos se deram no decorrer de milhares de anos. Uma dessas regiões foi a América. O continente americano foi provavelmente um dos últimos a ser ocupado pelo ser humano. Homem foi colonizar as Américas pelo estreito de Bering que se localiza na Ásia onde foi um dos primeiros continentes a ser colonizado.


O homem foi a pé da África do Sul até a Ásia. Há teorias que falam que a Ásia pode ter sido o continente em que o homem nasceu só que não há evidências suficiente.

Para ser diferente, vou explicar a teoria de Bering e a mitologia japonesa com complemento da chinesa neste post. Muita coisa eu já vi desenhos e ouvi falar quando era bem pequeno, então não haverá todas as referências. 


A TEORIA DE BERING

Os primeiros habitantes da América descendiam de caçadores, que saíram da Sibéria Oriental, na Ásia. Entre 50 mil e 12 mil anos atrás, atravessaram o estreito de Bering e alcançaram a América do Norte durante a última glaciação. Dali, os grupos nômades e seus descendentes foram espalhando-se pelo continente americano.


Durante a última glaciação, os territórios que hoje correspondem ao Alasca e à Sibéria, estavam unidos por um istmo de gelo, que formava uma passagem entre a Ásia e a América. Quando a temperatura do planeta voltou a subir, esse istmo de gelo se desfez, formando o atual estreito de Bering.

MITO DA CRIAÇÃO (JAPÃO):
Os deuses convocaram dois seres divinos à existência, Izanagi e Izanami, e ordenou-lhes para criarem seus primeiros lares. Para ajudá-los a fazer isso, os deuses deram ao Izanagi e Izanami uma lança decorada com jóias, chamado Amenonuhoko (lança do céu). As duas divindades eram a ponte entre o Céu e a Terra (Amenoukihashi) e agitaram o mar com a lança do céu. Quando as gotas de água caíram da ponta da lança, a ilha Onogoro-shima foi formada. Eles desceram a ilha a partir de uma ponte do céu. Eles tiveram dois filhos, Hiruko e Awashima, mas eram imperfeitos e não eram considerados deuses. Em seguida, eles colocaram as duas crianças num barco que foi arrastada pela correnteza de Onogoro-shima. Então eles perguntaram aos deuses o que eles fizeram de errado. Após receberem a resposta Izanagi e Izanami decidiram se casar novamente e seu casamento foi um sucesso.


Desta união nasceram o Ohoyashima, ou as oito principais ilhas do Japão. Eles criaram muitas ilhas e muitas divindades.

Izanagi e Izanami

No início, nasceram no Takaamahara os cinco deuses Kotoamatsugami e os sete deuses Kaminoyonanayo. Os últimos dois deuses a nascer foram os irmãos Izanagi e Izanami. Izanagi e Izanami desceram ao Ashihara no Nakatsu Kuni e se casaram. Tiveram como filhos as ilhas que formam o arquipélago japonês. E além das ilhas, nasceram vários deuses. Porém, na hora do parto de Kagutsuchi, deus do fogo, Izanami morre ferida pelo fogo. Izanami é enterrada na fronteira entre Izumo e Houki (atual Yasugi na província de Shimane). Izanagi mata Kagutsuchi e vai procurar Izamami no Yomi, o mundo dos mortos. Mas a Izanami do mundo dos mortos apresentava uma forma diferente e Izanagi foge. Izanagi com asco do mundo dos mortos vai se purificar. Quando limpa o olho esquerdo nasce Amaterasu. Quando lava o olho direito nasce Tsukuyomi. Quando lava seu nariz nasce Susanowo. Esses três deuses são conhecidos como os Sankishi e governaram o mundo a mando de Izanagi.


Amaterasu e Susanowo
Susanowo, descontente com o império dos oceanos, faz grandes patifarias à irmã, a ponto de a fazer fugir para uma caverna, deixando o mundo na escuridão. Todos os outros kai, reunidos, concebem então um plano para a fazer sair. Com grande alarido, gritos e risos, despertam a curiosidade da deusa solar, que a leva a entreabrir a entrada da caverna. Atraída por um espelho colocado à sua frente, acaba por sair, sendo então fechada a caverna, para a impedir de reentrar. Garantida de novo a luz, Susanowo é condenado a pagar uma multa e a ser desterrado dos céus. Mais tarde, ele arrepende-se e acaba por presentear a irmã com um esplêndido sabre encontrado no corpo de um dragão.

Susanowo querendo ir ao Ne no Kuni, onde Izanami está, chora e grita causando um grande estrago no universo. Susanowo sobe então ao Takaamahara, que é governado por Amaterasu para chamar a mesma para ir buscar a mãe. Amaterasu pensando que Susanowo quer o Takaamahara para si, pega seu arco e flecha e vai ao encontro de Susanowo.

Susanowo propõe um ukei para provar que suas intenções são boas. Amaterasu concorda. Primeiro, Amaterasu pega a espada de Susanowo e a mastiga. Da fumaça expirada por Amaterasu nascem três deusas, as Munakata Sanjojin. Então, Susanowo pega um colar de jóias de Amaterasu e a mastiga. Da fumaça expirada por Susanowo, nascem cinco deuses, todos homens.


Amaterasu diz que os deuses que nasceram por último (homens) foram feitos a partir de um objeto seu, portanto são filhos dela. Amaterasu afirma também que as deusas que nasceram antes são filhas de Susanowo. Susanowo prova que seu coração é puro porque suas filhas são gentis deusas. Assim, Amaterasu perdoa Susanowo.


Izumo
Susanowo desce a Izumo nas proximidades de um rio hoje conhecido como Hiikawa. Lá, Susanowo percebe hashis sendo carregados pela correnteza e decide subir o rio. Susanowo encontra o casal de idosos Ashinajichi e Natejichi chorando. O casal tinha oito filhas, porém o monstro Yamata no Orochi vinha uma vez por ano e comia uma de suas filhas. Sua última filha, Kushinadahime estava prestes a ser devorada. O casal então promete a mão de sua filha se Susanowo exterminasse o monstro. Susanowo mata Yamata no Orochi, se casa com Kushinadahime e constrói um castelo para morar com ela.


Um dos descendentes de Susanowo, Ookuninushi, se casa com Suserihime, filha de Susanowo. Ookuninushi e Sukunahikona desenvolvem o Ashihara no Nakatsu Kuni criando as regras da agricultura, medicina e magia.


Ashihara no Nakatsu Kuni
Amaterasu e os outros deuses do Takaamahara declaram que eles deveriam governar o Ashihara no Nakatsu Kuni então governado por Ookuninushi. Vários deuses são enviados a Ashihara no Nakatsu Kuni, mas falham em seu objetivo. Amaterasu pergunta aos deuses quem deveria ser o próximo enviado. Os deuses respondem que deveria ser Itsunoohabari ou seu filho Takemikadzuchi.

Takemikadzuchi e Amenotohibune são enviados ao Ashihara no Nakatsu Kuni. Lá chegando Takemikadzuchi finca a espada Totsuka no Tsurugi no chão. Takemikadzuchi se senta com as pernas cruzadas em cima da espada e diz a Ookuninushi que Amaterasu ordenara que Ashihara no Nakatsu Kuni fosse governado por um de seus filhos. Takemikadzuchi vai então conversar com Kotoshironushi, filho de Ookuninushi e Kotoshironushi se esconde. Vai conversar com outro filho de Ookuninushi, Takeminakata. Takeminakata tenta medir forças com Takemikadzuchi, mas é derrotado. 


Amaterasu envia então Takamimusubi para conversar com Ookuninushi. Takamimusubi diz a Ookuninushi que Amaterasu lhe construiria um grande castelo em troca do controle do Ashihara no Nakatsu Kuni. Ookuninushi pede um grande castelo, para seus 180 filhos morarem e depois disso desaparesce. Este castelo é o santuário Izumo Taisha, em Shimane.


Yamasatihiko e Umisatihiko
Yamasatihiko perde a vara de pescar de seu irmão Umisatihiko. Yamasatihiko vai então ao castelo do deus do mar, Kaijin, se casa com sua filha e devolve a vara de pescar do irmão. Yamasatihiko e sua esposa têm a Ugayafukiaezu como filho. Ugayafukiaezu por sua vez tem como flho Kamuyamatoiwarehiko, o imperador Jinmu.

Chinesa:
Na mitologia chinesa, por exemplo, de Pan Gu (Ovo que contém o primeiro deus, Yin e Yang) surgem as duas forças universais do Yin e Yang, das quais forma-se todos os elementos. Tenta refletir sobre a essência de cada ser vivo, e todos possuem duas forças contrárias dentro de si, é impossível existir a pureza e sempre é necessário um equilíbrio.

Yang representa a luz, o homem, o jeito ativo pelo lado branco da esfera. Já o Yin representa o contrário do Yang, sendo representado pela cor negra, é o principio feminino, escuro e o sujeito mais passivo nas atividades.

A lógica é que um não existe sem a presença do outro e nunca haverá um equilíbrio perfeito, onde há o bem sempre haverá o mal e vice-versa.


Referências:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Mitologia_japonesa
https://en.wikipedia.org/wiki/Pangu
https://en.wikipedia.org/wiki/Bering_Strait_crossing
https://en.wikipedia.org/wiki/Bering_Strait
Forbes, Jack D. 2007. The American Discovery of Europe. Urbana: University of Illinois Press, pp. 84 ff., 198
lifting the ice curtain Peter A. Iseman, New York Times, October 23, 1988
Tsu, Lao.The Tao Te Ching. New York: Best Publisher Ever, 1998.

Capra, Fritjof. 1975. The Tao of physics: An exploration of parallels between physics and eastern mysticism.

Nota: Artigo antigo, o site referência pode ter tido o conteúdo alterado/removido.

3 comments:

  1. valeu ae, quebro um galhão !

    ReplyDelete
  2. opa, ;)

    o que eu uder ajudar... disponham!

    ReplyDelete
  3. nossa Mauricio valeu mesmo...
    vc me sauvou hehe!!!
    adc meu msn willian_vlk2011@hotmail.com

    ReplyDelete